Como vim parar na Suíça? 26


Blog Suíça

Antes de responder a esta pergunta preciso contar um pouco da minha vida e da “picadinha” que levei da Senhora Europa. Vamos lá?

Pela primeira vez quando decidi sair do Brasil para viver em outro país, eu fiz por amor. Tinha uma noção “por alto” de que muita coisa iria mudar, que teria de me adaptar com a nova cultura, o idioma e o principal: o matrimônio. Lembro como se fosse hoje meus primeiros dias na Itália. Para o meu futuro marido, na época, nada mais era novidade, pois ele já vivia na Europa hà alguns anos. Mas pra mim, confesso que fiquei em”êxtase”! rsrsrs. Levei a “picadinha”. A Itália me encanta até hoje.

Itália

Inverno de 2008 na Itália. Minha primeira experiência na neve!

O idioma seria a maior barreira a ser superada. Lembro que sentava em frente à  TV e assistia aos programas com certo pavor. Cheguei a pensar muitas vezes que jamais conseguiria aprender o italiano. E aprendi! Lógico que é do nosso “natural” sempre achar que nunca conseguiremos isso ou aquilo, mas se persistirmos e acreditarmos em nós mesmos, focarmos no objetivo, com certeza o alcançaremos antes mesmo do que pensamos.

Os meses foram se passando e logo veio meu casamento. É, eu me casei na Itália, veja as fotos aqui. A cerimônia civil foi dirigida pelo Prefeito (Sindaco) da Cidade, estranho né? Também achei. E os convidados? Eram os amigos, e amigos de amigos, as minhas professoras de Italiano e alguns colegas de sala. O Vestido me foi emprestado por uma amiga e o buquê, ganhei da nossa “Nona” querida do andar de baixo do prédio onde morava.

Muitos anos antes de me casar, eu já tinha tudo planejadinho, em detalhes de como seria o dia do meu casamento, mesmo sem um noivo, rsrsrs. Mas até parece que Deus ria da minha cara e dos meus planos! Mostrou-me que quem estava no comando era Ele e não eu! Colocou na minha vida uma pessoa que morava a uns 10 mil quilômetros de distância, que até então não fazia idéia que existia. Nos conhecemos pela internet, digo, eu o conheci pela internet. Descobri que ele era Brasileiro e que vivia na Europa, mas sua família era da mesma cidade que a minha, do mesmo Bairro que o meu, opa! pera aí! e da mesma rua???? Eu não poderia acreditar! Deus deveria estar dando altas gargalhadas de mim naquele momento. Como poderia ser da mesma rua e eu nunca o vira? Algumas conversinhas a mais e me deparei com mais uma bomba: Estudamos na mesma escola por anos. Gente, isso é sério, não estou de brincadeira! Nunca na minha vida eu tinha visto ele, porém ele me conhecia há anos. Disse-me que estava esperando o momento certo para “se apresentar”. Algum tempo depois ele foi de férias para o Brasil, nos conhecemos pessoalmente e o amor nasceu! Simples assim. Meses mais tarde, topei uma aventura e vim com ele para a Itália.

Voltando ao dia do meu casamento… nadinha planejado!  A cerimônia foi linda! Minhas novas amigas improvisaram  tudo, nos emocionaram com belíssimas canções, teve até piadinha do meu então marido na hora do SIM! e chuva de arroz na saída da Prefeitura. Foi mágico!

Casamento Itália

Logo eu estava trabalhando e todo aquele encanto passou a se tornar rotina. Nas nossas folgas, fazíamos viagens pela Europa, conheci lugares incríveis, como: França e a Alemanha e várias cidades Italianas como a deslumbrante Veneza, Verona, Pisa, Milão, Torino, BergamoMaleo, Sirmione, Peschiera del Garda, entre outras. Como podem notar a Itália é realmente especial na minha vida. (Para ver as fotos basta clicar no nome da cidade ou país 😉 )

A gravidez nos encontrou logo. Motivo pelo qual decidimos regressar ao Brasil, ficar mais perto da família. E lá permanecemos por alguns anos.

Mas o desejo de retornar a viver na Europa nunca nos deixou.  Aquela “picadinha” ora coçava, ora ardia. Como os filhos eram ainda muito pequenos (sim, filhos! temos gêmeos 😀 😀 ) resistíamos ano após ano.

Em 2013, recebemos uma proposta para voltar ao Ocidente. Sabíamos que as coisas não seriam tão simples assim. Teríamos que recomeçar do zero com duas crianças pequenas. Pensamos, repensamos, planejamos e decidimos que meu marido viria na frente. Como ainda não conhecíamos a Suíça seria fundamental que ele fizesse o reconhecimento e organizasse tudo para a nossa chegada. O país não faz parte da União Européia, a cidadania Italiana não o ajudaria aqui, portanto, a documentação para que pudéssemos habitar o país seria trabalhosa.

Veio para jogar em um time de média categoria e morar com um amigo, o que o ajudou muito na adaptação.

Passados alguns meses ele já estava integrado ao time, cursando alemão, trabalhando e com a documentação em mãos. Faltava ainda alugar um apartamento, comprar todos os móveis e reservar um belo extra, pois somente ele  continuaria a gerar renda para o sustendo da família, porque pra mim no início seria difícil frequentar um curso de alemão e ingressar em um trabalho. Aqui só existem creches particulares e extremamente caras, dos 5 anos em diante eles frequentam o jardim de Infância (Kindergarten) gratuitamente, mas não funcionam em período integral, os horários são reduzidos sem contar que aqui na nossa cidade uma vez na semana é “dia livre”ou seja, não tem jardim.

Depois de tudo pronto, recebemos o tão sonhado sinal verde. Mal pude acreditar que a espera chegaria ao fim. Eu tinha sete dias, sete únicos dias para fazer as malas, organizar tudo, aproveitar a família, os amigos e controlar a ansiedade. A felicidade e a tristeza faziam uma só festa dentro de mim.  Foi uma semana pesada, o que mais me doía era ver meus pais agonizados com a nossa partida. Eles entendiam e apoiavam nossos ideias mas no fundo não aceitavam a idéia de estarmos tão longe assim. E com os netos, era mais difícil ainda a aceitação, o elo entre eles sempre foi intenso. Mas as nossas prioridades e objetivos como pais teria que ultrapassar esta barreira sentimental, pois o futuro deles depende exclusivamente de nós.

A partida da América do Sul foi triste, mas a chegada a Europa foi infinitamente alegre e feliz. Finalmente nossa família estava completa outra vez.

Suíça

Chegamos na Suíça no fim do ano de 2014. As primeiras impressões foram as melhores possíveis. E sobre a adaptação, tudo se repete como na época da Itália, mas agora com bônus extra, os filhos. Não existe um manual de instrução onde posso seguir um passo a passo.

Novamente o idioma me persegue. Às vezes penso que nunca vou aprender o Alemão. Como é difícil!  “-  Senhora Kellyn, está muito ansiosa. Um dia de cada vez! É apenas o início.” (Frase de uma Assistente Social Brasileira super gentil que me atendeu aqui.) Sei que vou aprender, talvez não com tanta destreza como foi com o italiano, mas EU VOU APRENDER!

Quanto aos nossos filhos, adaptaram-se super bem a nova vida, e ingressarão no jardim de infância no mês de agosto,  é quando inicia o ano letivo aqui. Até lá estamos nos divertindo entre algumas palavras novas e passeios “dos exploradores”. Vamos conhecendo e entendendo aos pouquinhos tudo a nossa volta.

Schinznach-Dorf

E se hoje estamos vivendo na Suíça, a culpa é toda da “picadinha” da Senhora Europa que não nos deixou em paz! 😉

Alguém aí já levou uma picadinha dessas? Você largaria tudo para viver em outro País?

Adoraria saber a sua opinião e sua história.

Gostou do artigo? Então compartilhe com seus amigos:

Facebook ,

Twitter ,

Google + ,

Instagram.

Grande beijo e até a próxima!

 


Sobre Kellyn Mazzucco

A Catarinense, Kellyn Mazzucco, mora atualmente na Suíça, já morou na Itália de 2008 a 2010. É Assistente Social, e pós graduada em Recursos Humanos, foi colunista social por 5 anos na sua cidade natal, Canoinhas-SC. Sua curiosidade, vontade de explorar e sua paixão por fotos agora dão vida ao Blog “Um lindo dia para Sorrir!”.


Gostou do artigo? Deixe um comentário!

26 pensamentos em “Como vim parar na Suíça?

  • Patricia Leitholdt

    Mesmo já conhecendo a linda história de vcs não deixa de emocionar!!! Vcs merecem td de melhor !! Bjsss

  • Rita Cassia

    Kellyn já tivemos a oportunidade de visitar por duas vezes a Europa, é Linda!!! Quanto a morar…hum…creio que não…acredito que são historias de vida dentro de capítulos diferentes..vcs estão nos primeiros e têm mais é que explorar esse nosso planeta. Nos podemos explorar sim, mas ficamos por aqui, Brasil. Kellyn e família,l sucesso p/vocês.

  • Caetano

    Bela história, lembro-me muito bem da sua ansiedade na espera do meu brother na primeira volta ao Brasil para enfim começarem essa bela história, afinal eu era e sou amigo dos dois em comum. desejo muito sucesso e estamos aqui antenados para uma próxima história hehe…

  • Kellyn Mazzucco Autor do post

    Oi Rita. Tudo bem? São objetivos e prioridades em comum que nos fazem escrever alguns capítulos por aqui.É desafiador mas também uma experiência de vida incrível. Obrigada e tudo de bom a vocês também. Beijos

  • Kellyn Mazzucco Autor do post

    Olá Eliane. Tudo bem sim e com você? Obrigada pelo carinho. Sou super suspeita né, mas sou apaixonada pela nossa história. 😀 Beijos e espero você sempre por aqui.

  • Rita Cassia

    Kelly, esqueci de dizer que achei linda a história do encontro de vcs, como se conheceram…e imaginar que antes estavam tao pertinhos…achei lindo e incrível…Tudo do melhor p,/vcs. Bjs

  • Eloisa

    Oi amiga. Chorei…
    cada dia me surpreendendo mais. Lembro como se fosse ontem o dia que fui na tua casa e nossa amizade nasceu. Nossa família é AMIZADE PURA… nossos maridos eram (e são) amigos, nós somos amigas, nossos filhos muito amigos. Sofrimos juntas quando vocês ficaram longe, choramos juntas quando você soube que estavam de partida e mais ainda arrumando as malas. Você sabe o quanto torço por vocês, e quanta saudades sentimos de sua família. Sucesso minha irmã do coração. Te amo muito Maninha.

  • Magda Cristina

    Olá Kellyn. Adoro ler seus artigos, você me faz viajar junto no tempo. Conheço um pouco da sua história, desde o tempo em que trabalhava na prefeitura em Canoinhas. Confesso estar emocionada, talvez porque você consegue transferir sua emoção nas linhas descritas. Acho tudo isso muito lindo e inspirador! Desejo a você e sua família muita sorte e felicidades nessa nova etapa de suas vidas! Continue nos agraciando com suas aventuras : ) Beijo.

  • Kellyn Mazzucco Autor do post

    Oi Magda! Tudo bem? E você me emocionou também…. Como é rico e gratificante ler esses depoimentos. Tudo isso me motiva ainda mais para continuar em frente. Super obrigada pelo carinho. Espero você sempre por aqui! Um grande beijo.

  • Kellyn Mazzucco Autor do post

    Hojé é dia de emoções. Abrir o Blog e ler esses comentários fantásticos e carinhosos de pessoas queridas, não tem preço. Elo, o sentimento é reciproco em todos os sentidos. Como é bom poder contar com vocês! Obrigada minha querida.. Amamos vocês. Grande beijo

  • Judite Artner dos Santos

    Filha, sinto muito orgulho de você por ser essa mulher guerreira, esposa e mãe nota 1000. Admiro essa sua coragem de enfrentar uma vida totalmente nova em um país totalmente novo com dois filhos pequenos. A saudade que sinto de vocês é imensa. Quando vcs foram pra Itália , o vazio que ficou aqui foi grande, mas agora formou – se uma cratera, pois tem as crianças que tornaram – se parte de mim. A vontade de abraçar, apertar, beijar. . . enfim, o toque faz falta, mas o que me conforta é que vejo vocês felizes. Desejo toda a sorte e felicidade do mundo pra vcs. E, se Deus quiser, em julho estarei aí pra conhecer de perto um pouco de tudo isso que vc compartilha conosco desse país. Bjos no coração, minha amada.

  • Day

    Aiiii, tô vendo o blog inteiro!
    Tá tão bom de ler…dá um certo aperto no coração de como foi esse início, muito emocionante…

  • Elisa Artner Leandro

    Amei a sua declaração de amor por tudo,,,,,
    Também tenho esse espirito aventureiro e amo a Europa de um modo bem especial.
    Achei interessante vc criar esse blog ….vou divulgar,
    Sucessos p/ vc e sua familia

  • Kellyn Mazzucco Autor do post

    Oi Elisa. Não tem como não se apaixonar pela Europa… cada cidade, cada país é uma descoberta.. O que me chama muito a atenção, pois tudo tão bem preservado assim, a gente viaja através do tempo! Beijos.. e agradeço o apoio. 😉

  • Edilaine Cola

    Nossa eu conheço beeeeeem essa ‘picadinha’…e como conheço!!! Sofro com isso!! rs Fiquei em Londres por 3 meses..em 2011…conheci varias cidades da Europa…e o pensamento em voltar…morar na Europa…não sai da minha cabeça!

  • FERNANDA MARILIA

    Adorei seu artigo … Estou praticamente de mudança para a Suíça e o “frio na barriga” está grande! Ouvir depoimentos de pessoas que passaram pela mesma situação ajuda bastante.. estou empolgada aqui lendo todo o blog , haha!! Beijos e fiquem com Deus!!!